Entre a Medicina e a Política

O monumento ao doutor José da Gama Malcher, médico paraense nascido em Monte Alegre, está localizado na Praça Visconde do Rio Branco, no bairro da Campina, centro de Belém. É resultado da iniciativa da Câmara Municipal de Belém. Foi inaugurado me 1889 e executado pelo escultor belga Armand-Pierre Cattier. Na base, está a escultura de um homem que representa o povo, esculpindo na pedra o nome do homenageado.
Com orçamento previsto na ordem de 10:000$000 réis – moeda da época –, o recurso para construção do monumento foi solicitado diretamente ao presidente da província, a época, conforme comprova a própria citação em mensagem enviada à Assembleia Legislativa no ano de 1888. O presidente da província decidiu por indeferir a solicitação, alegando que não havia verba, e a encaminhou de volta à Assembléia Legislativa para que resolvesse o caso. Desta forma, acredita-se que o pedido foi deferido, já que no ano de 1889 foram iniciados os trabalhos de construção do monumento.
Segundo Barata (1977), “As estátuas são obras do escultor belga Armand-Pierre Cattier, havendo sido feitas em Bruxelas. O pedestal é de pedra da localidade de Ecaussinnes, aparelhada e trabalhada pelo marmorista-escultor Leon Trigalet, de acordo com desenho de Cattier”.
Ainda segundo Barata há uma relação entre a forma do monumento a Gama Malcher e outros concebidos em várias partes do país, inclusive, a monumentos portugueses. O autor observa que o período de construção do monumento também coincide com o apogeu da riqueza advinda pelo ciclo da borracha, e com a necessidade estético-urbana de organizar os espaços abertos no centro da “‘urbs’”.
De acordo com Soares (2009), o local onde está o monumento a Gama Malcher foi testemunha de importantes lutas do movimento da Cabanagem, principalmente por nele se localizar, à época, ao lado da igreja, o Trem de Guerra, onde era armazenado o armamento das forças legalistas.

Informações Sobre o Monumento

Quem a obra representa

Doutor José da Gama Malcher, filantrópico médico do Hospital Beneficente Portuguesa, que esteve a frente do combate ao grande surto da febre amarela no Pará em meados de 1871. Também foi médico da Santa Casa de Misericórdia, presidente da província e da Cãmara Municipal.

Solicitado

A Câmara Municipal de Belém. O Vereador Vicent Chermont de Miranda foi o principal articulador da encomenda da estátua, solicitando oficialmente na Sessão da Câmara dia 14 de abril de 1882.

Porque solicitou

Em homenagem às ações administrativas, políticas e sociais.

Orçamento

Na ordem de 10:000$000 réis. Ano da Inauguração do Monumento: 1889. O documento com a data da solenidade está na Biblioteca do Barão do Guajará, no Instituto Histórico e Geográfico, e uma cópia guardada na base do monumento.

Material utilizado

Estátua em bronze e pedestal em mármore.

Localização da obra

Praça Visconde do Rio Branco, no período colonial, o local era denominado de Largo das Mercês.

Nome do Artista

As estátuas são de Armand-Pierre Cattier, e o pedestal do marmorista-escultor Leon Trigalet.

Origem do artista

Cattier é belga, nasceu dia 20 de fevereiro de 1830 em Charleville, e morreu em Bruxelas dia 05 de junho de 1832.

Biografia

Estreou no Salão de Paris em 1857, onde suas obras permaneceram até 1867.

 

Pesquisa e texto:

Heskethi Cavalcante Barbosa Norberto da Silva Marques Tayanne Cid Costa

Referência

BARATA, Mário. A encomenda e a concepção da estátua do Doutor José da Gama Malcher, localizada na Praça Visconde do Rio Branco, em Belém do Pará. Revista de Cultura do Pará. Belém. 13 – 54. 1977.
FARIA, Maria. TRINDADE, Elna. Circuito Landi: um roteiro pela arquitetura setecentista na Amazônia, 2006.
SOARES, Elizabeth. Largos, Coretos e Praças de Belém. Brasília, DF: IPHAN/Programa Monumenta, 2009
2017 monumentosdebelem | Direitos Reservados ao Projeto Transcodificações Urbanas